Precisa-se de números, paga-se bem

2 set

Nos mudamos! O Blog Cético agora é Raciocínio Aberto. Clique aqui para ler este post no novo site.

Anúncios

6 Respostas to “Precisa-se de números, paga-se bem”

  1. marceloDC 16/09/2018 às 01:47 #

    Citado “leis antidiscriminatórias”, lógico que não se pode fazer por manipulações estatísticas, mas então por que há de “racismo” especificado em lei fereral? Ou seja, mostrando que LGBTs e questões de gênero são mais excluídos… Por que não se faz lei de “anti preconceitos” pura e simplesmente, sem essa de ficar especificando detalhadamente? E importante: NUNCA se pode colocar no mesmo nível das características das pessoas (cor, LGBT, mulher… algo que são meras diferenças) com religião ou ideologias. Estas últimas além de serem SEMPRE opcionais, SÃO geradoras de conflitos.

    • Daniel Reynaldo 16/09/2018 às 09:17 #

      Tinha pensado menos nas leis anti-discriminatórias em si e mais nas leis de “discriminação positiva”, mas sim, concordo que – onde coubesse – as leis deveriam punir igualmente racismo (contra negros ou brancos ou japoneses…), preconceito sexual ou de sexualidade (contra homens ou mulheres, héteros ou não).

      Entendo sua distinção entre caracteres inatos ou opcionais, não sei se acompanho.

      Acho que punição por precinceito deveria ser algo extremamente restrito e não banalizado como nos casos Heraldo vs PHA ou Holiday vs Ciro, mas essa é outra discussão.

    • Squire 24/09/2018 às 09:10 #

      Porque ficar tratando especificidade de cada caso gera mais material para ativismo político.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Todo dia uma mentira do Grupo Gay da Bahia, até 2019 #29 – Quem a homotransfobia não matou hoje? - 07/09/2018

    […] Os números de “mortes motivadas por homofobia”, afinal de contas, não podem parar de crescer. É assim que se convence o Estado a aprovar leis discriminatórias e a liberar verbas para que se &#… […]

  2. Todo dia uma mentira do Grupo Gay da Bahia #66 e #67 – Quem a homotransfobia não matou hoje? - 27/10/2018

    […] Desta maneira, quando grandes jornais – como O Globo – publicaram que 343 pessoas haviam morrido por serem LGBTs no Brasil em 2016 o que se estava falando era de uma lista amorfa que incluia casos tão estapafúrdios quanto uma mulher heterossexual morta em Portugal, um venezuelano morto na Espanha e dois brasileiros mortos na Itália: Os números precisam ser altos. […]

  3. Pluckrose et al : trolando a “ciência” do mimimi – Quem a homotransfobia não matou hoje? - 10/11/2018

    […] no judiciário (usando um exemplo sentido na própria pele) ou na definição das políticas (e gastos) […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: